Numa dessas idas e vindas da praia, subi a serra dando carona pra Crica*, minha priminha de 7 anos.

Ela é uma criança muito atenta e, para eu não dormir no volante, ficou me contando que, na Índia, eles acreditam que “o Deus mora embaixo” (palavras dela), e que é muito triste porque lá eles não tem o que comer. Contou também do primeiro namoradinho: ele resolveu namorar com ela porque acha ela uma garota esperta. Eu acho que esse é um dos melhores elogios que se pode ouvir, de quem quer que seja :)

Certo momento, quando se viu desesperada porque seu repertório de histórias estava acabando, Crica resolveu cantar uma musica:

Não atirei o pau no gato
Porque isso
Não se faz
O gatinho
É nosso amigo
Não devemos maltratar
Os Animais
Miau!!!

Ai, que tédio. Parece que hoje em dia as crianças estão tão enlouquiçadas que uma simples musiquinha, a versão original (Aaaaaatirei o pau no gato, mas o gato não morreu), vai botar ideia errada na cabeça delas e elas vão sair dando paulada em todos os gatos por aí. Daí inventaram esse treco politicamente correto. Não que seja bonito maltratar os animais, mas poxa, na escola as crianças cantam isso, e, domingo, no Faustão, às 5h da tarde, elas aprendem a cantar a Fugidinha.

Sei lá, espero que todos os responsáveis pela educação de uma criança ensinem a ver o que é certo e o que é errado sem precisar privar da parte divertida da vida.

Certo que vou ensinar meus filhos a cantar Atirei o pau no gato direito. E vou incentivá-los a ensinar para todos os amiguinhos também. E coitado do primeiro que resolver atirar o pau no gato de verdade.

 

 

Por: Sole.

 

 

*Crica é um nome fictício para preservar a privacidade da autora e sua prima.

Anúncios